segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Eagle Eye, de D.J. Caruso


Jerry (Shia LaBeouf) e Rachel (Michelle Monaghan) são dois estranhos que se cruzam por causa de um telefonema de uma mulher que não conhecem. Ameaçando a sua família e amigos, essa estranha mulher manipula Jerry e Rachel, fazendo deles meros peões do seu jogo diabólico. Eles tentam fugir, mas a estranha controla todos os seus passos, antecipando cada movimento.

Filme produzido pela Dreamworks, de Steven Spielberg que aqui há uns anos o quis transportar para o grande ecrã, decidindo adiar a sua produção visto ter na altura uma série de filmes de género idêntico (A:I:; Relatório Minoritário, A Guerra dos Mundos).

Agora, com D. J Caruso ( realizador que se tem afirmado na Dreamworks e que tem alguns filmes interessantes no seu currículo - caso de The Salton Sea) ao leme Eagle Eye é mais entretenimento que outra coisa, podendo ser visto se não houver nada melhor na sala ao lado!
Shia LaBoeuf volta a ser chamado (vide Disturbia) e Billy Bob Thornton também anda por lá!

NOTA: 7/10


5 comentários:

Hugo disse...

Ainda não assisti este, inclusive estou para ver "Paranóia" a outra parceria entre D. J. Caruso e Shia Labeouf.
Quanto ao Diego Souza, valeu pela explicação. Apesar dele não ser um craque, acho que teria lugar no Benfica. Agora este tipo de briga de ego entre diretor e presidente ou diretor e treinador também acontece muito aqui no Brasil e no final é o clube e o torcedor que sofrem.

Abraço

Americano disse...

Vi o filme este fds, e esperava um bocadinho mais, mas deu para entreter.
Shia Labeouf conquistou-me em Transformers (a Megan Fox conquistou-me ainda mais, mas doutra forma!!!), confirmou-se em "Paranóia", e acho que será um dos grandes actores desta geração, a última vez que algum actor jovem me cativou tanto foi um tal de Edward Norton :)

João Bizarro disse...

Se as aventuras do Indiana Jones tiverem continuação ele pode vir-se a transformar no futuro herói.
Se bem que o pai não lhe deu abébias e tirou-lhe o chapéu no fim da ultima aventura! :D

Fifeco disse...

Devo ter sido dos poucos que viu para além do básico ou que pelo menos o entendeu assim. É sobretudo entretenimento mas transmite uma mensagem interessante e não apenas aquele face ao dominío robô. Ainda para mais tendo em conta que o filme estava para ser feito há dez anos.

8 em 10

Abraço

João Bizarro disse...

Fifeco, Talvez de o próprio Spielberg tivesse pegado no filme...

De qualquer maneira Tony Scott e Alex Proyas já tinham pegado em temas parecidos (O efeito Big Brother na sociedade e a revolta da "máquina-mãe").