quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Das weisse Band, de Michael Haneke


Magnifico filme do realizador austríaco Michael Haneke, situado pouco antes da I Guerra Mundial, numa pequena localidade do norte da Alemanha atormentada por uma série de incidentes violentos que não eram mais do que um presságio de horrores maiores que estavam para vir.

A história é narrada por uma das personagens centrais do filme, o professor (papel que Haneke escreveu para Ulrich Mühe - o agente da Stasi de As Vidas dos Outros - mas o actor faleceu antes de se iniciarem as gravações) que vai relatando os estranhos acontecimentos que se vão sucedendo ao longo de vários anos. Grande parte desta localidade está dependente do Barão que dá emprego a maior parte da população, ao mesmo tempo que são fieis ao pastor da igreja.
O primeiro incidente dá-se logo no inicio quando o médico local é atirado do cavalo quando este é feito cair por um arame amarrado a duas árvores, e fica gravemente ferido. Obviamente trata-se de um crime mas ninguém sabe quem é/são o(s) culpado(s).
Nas semanas seguintes uma mulher que trabalhava para o Barão aparece morta, uma plantação do barão é vandalizada, o pequeno filho do barão é espancado e deixado à beira da morte, um celeiro do barão é incendiado e uma criança deficiente é agredida e amarrada de cabeça para baixo a uma árvore, ficando quase cega.
Quem poderá estar por trás destas punições e porque é que elas acontecem?

Filmado a preto e branco, recorrendo frequentemente a planos estáticos, Michael Haneke mostra-nos o lado negro do comportamento humano. O Laço Branco é uma parábola aos primórdios do fascismo, retrato de uma sociedade disfuncional, construída sobre a desconfiança, a injustiça e o medo, à beira da Primeira Guerra Mundial.

A Palma De Ouro conquistada em Cannes para o filme e realizador foram mais do que merecidas. Ainda esta semana o filme recebeu o Golden Globe para melhor filme estrangeiro.

NOTA: 10/10


4 comentários:

Flávio Gonçalves disse...

Resumes bem a minha opinião, apesar de eu ter sido mais generoso na classificação ;) Haneke é absolutamente excepcional.

Abraço

Tiago Ramos disse...

É dos realizadores que conheço que tem uma das filmografias mais consistentes de sempre. A sua câmara é tão clínica e limpa, contrastando com os seus argumentos críticos e atordoantes. É um grande realizador! Este O Laço Branco é seguramente uma das suas melhores obras, talvez a melhor até, embora eu e por razões pessoais, me sinta mais ligado a A Pianista.

umadosedecinema disse...

João, aguardo anciosamente pela estréia deste filme aqui no Brasil. Haneke é um dos meus diretores favoritos, e imagino o que não seria do filme se Ulrich Mühe tivesse participado.

Abraço!

João Bizarro disse...

Flávio, realmente era um crime o filme não ter nota máxima. Daí já ter corrigido a mesma!

Tiago, para mim também é o melhor dele até ao momento.

umadosedecinema, infelizmente os filmes europeus chegam aí sempre mais tarde. Mas a espera vai valer a pena.