sexta-feira, 10 de abril de 2009

Filmes de eleição #29 - The Departed


Este é mais um re-post pois nele vou recuperar aquilo que disse em Dezembro de 2006 após ter visto The Departed, o filme que finalmente deu o Oscar a Martin Scorsese! Um filme recente, mas que não deixa de ser um dos meus filmes de eleição:

Em primeiro lugar deixem que vos diga que o filme de Hong Kong do qual este se baseia, é um GRANDE filme.
Já foram feitas várias adaptações fracas de filmes vindos de Hong Kong e do Japão mas até agora nenhuma foi tão boa como esta.
E que melhor realizador para conseguir isso senão Martin Scorsese?
2006 já nos tinha provado que os grandes mestres da 7ª Arte estavam em forma. A chamada Velha Guarda (aqueles que revolucionaram o cinema na década de 70 e 80) esteve em grande neste ano. Steven Spielberg “Munique”, Terrence Malick “O Novo Mundo” Michale Mann “Miami Vice”, Oliver Stone “World Trade Center”, Brian de Palma “A Dália Negra”.

Só faltava o grande Martin Scorsese, e ele chega-nos com este The Departed (o titulo português é Entre Inimigos). Para mim Martin Scorsese não tem um filme menos bom. Tem filmes bons, muito bons e excelentes.

Desta vez Scorsese transporta a história de New York (embora maior parte das filmagens tenham decorrido na Big Apple) para Boston onde a máfia irlandesa impera sobre uma parte da cidade, sem que a policia consiga travar os seus tentáculos. Billy Costigan (Leonardo Di Caprio) acaba de se formar na Academia de Policia mas o seu passado vivido em bairros problemáticos leva a que seja escolhido como agente infiltrado junto dos mafiosos, para assim ajudar à captura de Frank Costello (Jack Nickolson. Ao mesmo tempo Colin Sullivan (Matt Damon), - também ele novo nas forças policiais – é integrado na unidade que combate o crime organizado da região. No entanto Sullivan é um pião ao serviço de Frank Costello, infiltrado na policia para lhe dar as informações necessárias e assim impedir que este seja apanhado. E aqui começa um jogo do gato e do rato com os dois agentes a tentarem descobrir quem é o outro e ao mesmo tempo salvar a própria pele.

Este não é o 1º remake feito por Scorsese (já tinha feito O Cabo do Medo) e não é apenas uma cópia do original como alguns remakes de filmes asiáticos. Não, Scorsese é um autor e deixa aqui a sua marca, de principio ao fim.e até o final é diferente do original.

The Departed é um filme de personagens, é centralizado na relação Costigan/Costello/Sullivan, e é aqui que se nota a grandeza dos actores escolhidos.

Que Jack Nickolson é um dos melhores actores de sempre acho que todos concordam e aqui volta a provar isso com mais uma interpretação que pode muito bem ser condidata aos Oscars.

De Leonardo Di Caprio já foi dito que os dois últimos filmes de Scorsese não foram excelentes devido à sua (fraca) presença. Até posso concordar com isso, que com outro actor, mais imponente em frente à câmara do Mestre, tanto Gangs of New York, como O Aviador teriam sido obras primas. Mas Di Carpio aqui faz talvez a sua melhor interpretação de sempre, e talvez a presença de Nicholson tenha ajudado. Matt Damon está ao nível do seu melhor e secundários como Vera Farmiga (personagem feminina que se cruza com os dois agentes) e Mark Walbergh estão excelentes.

Enfim, este não é apenas um remake é sim mais um grande filme de Martin Scorsese e os seus 150 minutos quase nem se notam a passar.

Nota: 10/10



4 comentários:

Roberto F. A. Simões disse...

É um filme muito bom, sem dúvida. Falta-me este DVD na minha DVDteca mas gostei bastante do filme, é brilhante. Mas DiCaprio tem a sua melhor prestação em O AVIADOR, na minha opinião.

Cumps.

Roberto F. A. Simões
CINEROAD

Paulo Pereira disse...

Um dos meus predilectos, sem dúvida, num remake que, ao contrário de muitos, melhorou o que já existia.

Magnífico!

ps: Boa Páscoa:)

Luís disse...

um belissimo filme com interpretações vibrantes e poderosas. Scorsese cant do no wrong

João Bizarro disse...

Roberto, o DiCaprio está cada vez melhor actor. Tem aprendido com os Mestres. Há que lhe tirar o chapéu porque ele não escolhe qualquer projecto.

Paulo, os originais também são muito bons, mas este tem o toque de um génio da 7ª arte!

Luis,

"Scorsese cant do no wrong"
Já me lembrei de o convidar pra treinar o Glorioso.