quinta-feira, 10 de janeiro de 2008

I am legend, de Francis Lawrence


Robert Neville (Will Smith) é um brilhante cientista, mas nem ele conseguiria conter o vírus terrível e imparável criado pelo homem. Imune por qualquer razão estranha, Neville é agora o último sobrevivente humano no que sobrou de Nova Iorque e talvez do mundo. Nos últimos três anos tem enviado mensagens por rádio, na esperança de encontrar outros sobreviventes. Mas não está sozinho. Vítimas mutantes do vírus escondem-se na sombra, a observar cada movimento de Neville, esperando que ele cometa o erro fatal. Sendo talvez a última esperança da humanidade, Neville é guiado pela única missão que lhe resta: descobrir a forma de inverter o efeito do vírus usando o seu próprio sangue imune. Mas sabe que o adverário é em muito maior número e o tempo escasseia cada vez mais.

Isto soa mais a remake do filme britanico, de Danny Boyle, 28 Dias Depois do que outra coisa.

A acção é levada de londres para New York e pronto.
Mas ainda assim o filme de Francis Lawrence (que já tinha feito o satisfatório Constantine) é aceitável. E são quase duas horas de entretenimento.

NOTA: 7/10


3 comentários:

Izzi disse...

Como já disse por aí, ainda não tive oportunidade de ver o filme de Danny Boyle, mas gostei bastante deste filme. Como dizes são quase duas horas de entretenimento, com um Will Smith em grande - para mim pelo menos, pois não é qualquer actor que não evita o aborrecimento e a banalidade quando está só no ecrã durante não sei quantos minutos. Não falaste da prestação dele. O que achaste?

Pedro disse...

O fim estraga tudo. Até gostei do filme, a trama estava engraçada e tinha potencial para ser um estrondo. O fim foi demasiado básico, demasiado "à pressa". Senti alguma desilusão.

Tb lhe dou uma nota 7 em 10 pelo potencial q tem/tinha.

João Bizarro disse...

Izzi, acho que o Will Smith esteve muito bem.